Erupções de Abril de 2010

 

Eyjafjallajökull, Islândia

 

O Icelandic Met Office informou que por volta das 19h do dia 31 de março uma nova fissura abriu a nordeste da primeira fissura que começou a erupcionar em 20 de março no vulcão Eyjafjallajökull. A atividade na segunda fissura não foi precedida por sismicidade detectável. Segundos informes de jornais, a fissura tinha 300 metros de comprimento e está localizada a 200 metros de distância da primeira fissura. Até o dia 5 de abril as fontes de lavas permaneciam ativas desde ambas as fissuras, sendo que a maior parte da lava acumulou próxima do novo conduto.

No dia 7 de abril, o Institute of Earth Sciences reportou que a erupção estava limitada somente na nova fissura que abriu em 31 de março. Fluxos de lava cobriram uma área estimada de 1,3 km2 e com uma  espessura média de 10-20 metros. O maior cone de escória tinha naquela data 82m de altura.  No dia 9 de abril a deformação do terreno voltou aos níveis pré-erupção, após pequenas variações durante o período eruptivo anterior. Os dias que se seguiram, 11 e 12 de abril, mostraram pouca atividade vulcânica, tanto  que o Icelandic Civil Protection Departament rebaixou o nível de alerta em um ponto.
Entretanto, no dia 13 de abril, às 23h, um enxame sísmico foi detectado abaixo da parte central do vulcão Eyjafjallajökull, a oeste das fissuras eruptivas. Cerca de uma hora depois, a atividade  vulcânica reassumiu com força revigorada, começando uma erupção a partir de um novo conduto localizado na margem sul da caldeira central, uma área coberta pela geleira Eyjafjallajökull. Com a evolução da erupção, a pluma de cinzas ascendeu no mínimo 8 km acima da geleira.
O magma está encontrando seu caminho através da geleira e produzindo uma área circular livre de gelo com 200 metros de diâmetro, próxima do cume do vulcão. A água gerada pelo derretimento da geleira fluiu nas direções norte e sul. Durante um sobrevoo na área, cientistas observaram  uma fissura direção N-S com aproximadamente 2 km de comprimento. Eles também viram queda de cinzas na direção leste. A inundação provocada pelo degelo aumentou durante aquele dia, provocando fechamento de rodovias e algum dano estrutural. O fluxo da água no rio Markarfljót aumentou significativamente e o nível se elevou 84 centímetros.
Aproximadamente 45 pessoas que residem no vale Langidalur, ao norte da geleira Eyjafjallajökull estão isoladas. Em torno de 700 pessoas foram evacuadas da área mais próxima ao vulcão devido ao risco de inundação. Diversos voos de aeronaves foram proibidos de circular na área da erupção. No dia 15 de abril, as emissões de cinzas, com 11 km de altura, interromperam os voos para Islândia, Reino Unido, Irlanda, Europa, EUA e Austrália.
No dia 16 de abril, enquanto a erupção continuava no vulcão Eyjafjallajökull, as cinzas vulcânicas alcançaram aproximadamente 11 mil metros de altura. As cinzas ejetadas pelo vulcão Eyjafjöll estão sendo transportadas pelos ventos na direção S e SE, sobre o Reino Unido e a parte central e leste do Continente Europeu. As cinzas já alcançaram a parte sul da Itália. 
No dia 19 de abril, ocorreu o retorno de alguns voos na Europa, entretanto a erupção no vulcão Eyjafjallajökull tem se fortalecido e mais cinzas estão sendo formadas e sopradas pelos ventos na direção da Grã-Bretanha.
Fotos da erupção do vulcão islândes Eyjafjallajökull podem ser encontradas no site Stromboli Online e no Flick.
O Institute of Earth Sciences e o Nordic Volcanological Center (NVC) reportaram que a erupção no vulcão Eyjafjallajökull continuou durante o período entre 21-27 de abril. A razão eruptiva no dia 21 de abril foi inferida ter sido uma ordem de magnitude menor que durante as 72 horas iniciais da erupção, tendo declinado em alguns dias. Atividade freatomagmática com emissão de lavas ocorreu desde as duas crateras localizadas mais ao norte das duas crateras na área do cume, gerando plumas que alcançaram uma altitude de até 3 km. A emissão de fluxos de lava provavelmente começou por volta das 12h do dia 21 de abril e ficou evidenciada pelo começo da descarga semicontínua de água de degelo, vaporização da margem norte da geleira e variações na amplitude dos tremores.
Atividades similares continuaram pelos próximos 4 dias, ainda que algumas vezes alcançaram 6 km de altura acima do nível do mar. No dia 23 de abril, variações na direção do vento empurrou a pluma de cinzas na direção noroeste, provocando o fechamento dos aeroportos em vários locais da Islândia. No dia 24 de abril, a atividade explosiva ejetou fragmentos vulcânicos até 100 metros de altura acima da cratera e ondas de choque foram detectadas; uma depressão na geleira, formada pelo derretimento da neve provocada pelos fluxos de lavas que avançaram 400-500 metros na direção norte da cratera, tem agora 700 metros de comprimento e expelindo fumaças, especialmente nas margens.
A margem norte da cratera foi ativa no dia 25 de abril. Explosões foram ouvidas em locais a 10-15 km de distância. No dia 26 de abril, plumas de cinzas se elevaram até uma altitude média de 4,8 km acima do nível do mar. Dados de radar mostraram que o cone de tefra continuou crescendo na margem norte da cratera. A estrutura tem aproximadamente 150 metros de altura e 200 metros de largura. Nesse dia os aeroportos da Islândia foram reabertos.
No dia 27 de abril, a altitude da pluma eruptiva alcançou ente 3-3,5 km de altura acima do nível do mar. Houve leve queda de cinzas em áreas habitadas entre 32-45 km de distância a oeste do vulcão. Cientistas também viram que uma nova cratera foi formada na parte sudoeste da caldeira; a margem estava em torno de 50 metros mais baixo do a margem da geleira. Plumas de cinzas se elevaram desde o conduto e fragmentos de lava foram ejetados até 100-200 metros acima do conduto. A frente do fluxo de lava avançou 1 km ao norte dos condutos. Os voos foram novamente cancelados na Islândia.
No final do mês de abril a erupção do vulcão Eyjafjallajökull continuou a emitir lava e produzir vapores e plumas de cinzas. Sons de explosões foram ouvidos nas vizinhanças do vulcão. No dia 28 de abril, as plumas não superaram a altitude de 4 km acima do nível do mar, enquanto que no dia 30 de abril, se elevaram entre 4,5-5,1 km acima do nível do mar, e no dia 31 de abril, até 5,4 km. Houve informações de queda de cinzas em todos esses dias. Um fluxo de lava ativo continuou a gerar plumas de vapores devido à interação com o gelo.
FonteSmithsonian/USGS Weekly Volcanic Activity Report e Volcano Live


Arenal, Costa Rica
 
O Observatorio Vulcanologico y Sismologico de Costa Rica-Universidad Nacional (OVSICORI-UNA) informou que durante o mês de abril a atividade originada desde a Cratera C do vulcão Arenal consistiu de emissões de gases, erupções explosivas estrombolianas, infrequentes emissões de cinzas e ocasionais avalanches de rochas. Um fluxo de lava, que foi formado na metade do mês de janeiro, permaneceu ativo sobre o flanco sul. Chuva ácida e pequenas quantidades de material piroclástico ejetado afetaram os flancos nordeste, leste e Sudeste. Avalanches desde a cratera e desde as porções frontais de fluxos de lavas se deslocaram pelos flancos sudoeste, sul e sudeste, ocasionando incêndios na vegetação. A Cratera D produziu somente atividade fumarólica.
 
FonteSmithsonian/USGS Weekly Volcanic Activity Report


Etna, Sícilia, Itália


O Istituto Nazionale di Geofisica e Vulcanologia Sezione di Catania (INGV-CT) reportou que no dia 8 de abril uma dezena de eventos sísmicos de baixa frequência foi detectada pela rede sísmica próximo do cume do vulcão Etna. Simultaneamente, uma pluma de cinzas de coloração escura se elevou 1 km acima do conduto localizado na base leste da Cratera Sudeste. Emissões de cinzas também de coloração escura também foram observadas pouco tempo depois desde a Cratera Central. Queda de cinzas foi reportada em alguns locais próximos. No dia 9 de abril, foi notada intensa emissão de gases no conduto da Cratera Sudeste.
FonteSmithsonian/USGS Weekly Volcanic Activity Report



Kirishima, Kyushu, Japão


Uma erupção desde o vulcão Shinmoe-dake, um estrato-vulcão do grupo de vulcões Kirishima, no dia 30 de março levou ao aumento do Nível de Alerta de 1 para 2 (em uma escala que varia entre 1-5). Um fino depósito de cinzas cobriu a parte oeste da cratera.
FonteSmithsonian/USGS Weekly Volcanic Activity Report



Egon, Ilha de Flores, Indonésia

O Center of Volcanology and Geological Hazard Mitigation (CVGHM) informou o Nível de Alerta do vulcão Egon foi elevado de 1 para 2 (em uma escala que varia entre 1-4) no dia 7 de abril, devido a um marcante aumento na atividade sísmica observada desde o dia 28 de março. Pequenas plumas de vapores normalmente se elevam 10 metros acima da cratera.
 
FonteSmithsonian/USGS Weekly Volcanic Activity Report



Gaua, Ilhas de Banks, Oceano Pacífico

No dia 7 de abril, o Vanuatu Geohazards Observatory reportou que recentes observações de campo confirmaram variações significativas na atividade. Plumas de gases foram detectadas diariamente por imagens de satélites. Durante o final do mês de março e início de abril, plumas de cinzas se elevaram diariamente até altitudes entre 2-3 km acima do nível do mar. Explosões foram ouvidas desde povoados próximos. Moradores desses provoados reportaram ejeções de fragmentos vulcânicos (bombas) e queda de cinzas no dia 3 de abril. No período entre 8-12,  13-16 e 19-21 de abril,  plumas de cinzas atingiram 3 km de altitude acima do nível do mar. O Nível de Alerta permanece em 2 (em uma escala que varia entre 0-4).
 
FonteSmithsonian/USGS Weekly Volcanic Activity Report



Redoubt, Alaska
O Alaska Volcano Observatory (AVO) reportou que uma série de pequenos e repetitivos terremotos foi detectada nas vizinhanças do cume do vulcão Redoubt. O Código de Cores de Alerta foi elevado para amarelo. Entretanto, no dia 12 de abril, o Código de Cores de Alerta foi diminuído para verde.
 
FonteSmithsonian/USGS Weekly Volcanic Activity Report



Klyuchevskoy, Kamchatka, Rússia
O Kamchatkan Volcanic Eruption Response Team (KVERT) reportou que durante o período entre 26 de março-15 abril a atividade explosiva estromboliana periodicamente ejetou material vulcânico até 300 metros acima da cratera e a lava continuou a fluir pelos flancos da montanha.
O Nível do Código Aéreo de Cores permaneceu no período em laranja.
Fonte: Smithsonian/USGS Weekly Volcanic Activity Report



Shiveluch, Kamchatka, Rússia

Kamchatkan Volcanic Eruption Response Team (KVERT) informou que durante o período entre 26 de março-15 de abril avalanches "quentes" foram observadas em algumas noites.  Plumas de cinzas geradas por essas avalanches "quentes" alcançaram 6,1 km de altura acima do nível do mar nos dias 5 e 8 de abril e 3,7 km durante os dias 9-13 de abril.
 
O Nível do Código Aéreo de Cores permaneceu no período em laranja.
 
FonteSmithsonian/USGS Weekly Volcanic Activity Report

 
 

©2019 VULCANOtícias     -     Erupções | Vulcanologia | FotografiasFale Conosco

 

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?