Erupções de Dezembro de 2015

Nevados de Chillán, Chile

O Servicio Nacional de Geología y Minería (SERNAGEOMIN) e o Observatorio Volcanológico de Los Andes del Sur (OVDAS) reportaram aumento da sismicidade e da atividade do sistema hidrotermal  no vulcão Nevados de Chillán o que promoveu a elevação do nível de alerta para Amarelo, em uma escala de três cores. Durante o período entre 01-31 dezembro a rede sísmica registrou 1.259 eventos sísmicos, incluindo 186 eventos vulcano-tectônico com uma magnitude máxima de 1,8º, localizado 17 km a NNO e a uma profundidade de 4 km, 1.030 tremores de terra de longo período, 40 episódios curtos de tremor espasmódico, e três eventos do tipo tornillo. Uma webcam gravou uma pequena pluma branca subindo da cratera em 9 de dezembro.

Fonte: Smithsonian/USGS Weekly Volcanic Activity Report

 


 

Cotopaxi, Equador

O Instituto Geofísico do Peru-Escuela Politécnica Nacional (IG) informou que durante o período entre 2-8 de dezembro a atividade sísmica no vulcão Cotopaxi foi caracterizada por eventos de longo período (indicando movimento de fluídos dentro do edifício vulcânico), eventos vulcano-tectônico (fraturamento de rochas dentro do vulcão), e eventos híbridos. Sinais indicando emissões e explosões foram também detectados. Emissões de gases e vapores foram observadas diariamente.  Uma pluma contendo cinzas ascendeu a 1 km de altura e foi dispersa na direção noroeste no dia 7 de dezembro.

O IG reportou que após 119 dias de fechamento devido à atividade vulcânica no vulcão Cotopaxi, o Parque Nacional Cotopaxi reabriu para visitantes. Tanto a atividade sísmica como a superficial diminuiram nas últimas semanas.

Fonte: Smithsonian/USGS Weekly Volcanic Activity Report

 


 

Nevado del Ruiz, Colômbia

O Servicio Geológico Colombiano (SGC) e o Observatorio Vulcanológico y Sismológico de Manizales reportaram que um sinal sísmico de tremor vulcânico foi detectado às 02h14min do dia 18 de dezembro pode ter sido associado com uma emissão de cinzas desde o vulcão Nevado del Ruiz, ainda que condições noturnas impediram a observação visual do evento. Tremores vulcânicos que começaram às 12h47min do dia 20 de dezembro foram associados com uma emissão de cinzas observada por muitas pessoas tanto próxima ao vulcão como em Manizales (30 km a NO). Muitas pessoas também reportaram um forte odor de enxofre. Equipamentos também detectaram níveis mais elevados de dióxido de enxofre desde que a atual atividade começou. O nível de alerta permanece em III (Amarelo, que significa “variações no comportamento da atividade vulcânica”).

Fonte: Smithsonian/USGS Weekly Volcanic Activity Report

 


 

Fuego, Guatemala

O Instituto Nacional de Sismologia, Vulcanologia, Meteorologia e Hidrologia (INSIVUMEH) reportou que explosões durante os dias 10-12 de dezembro no vulcão Fuego geraram plumas de cinzas que ascenderam entre 450-950 metros acima da cratera e foram dispersas por 12 km nas direções oeste e sudoeste. Ondas de choque das explosões vibraram as residências próximas. Material incandescente foi ejetado a 200 metros de altura, aterrisando sobre os flancos, e então formando pequenas avalanches nas drenagens Santa Teresa (SO), Taniluyá (SO) e Las Lajas (SE). Avalanches de blocos alcançaram áreas vegetadas durante os dias 11-12 de dezembro. A atividade aumentou durante a noite de 14-15 de dezembro, caracterizada por um aumento no número de explosões (4-6 por hora). Plumas de cinzas ascenderam quase 1 km de altura e deslocaram-se por 10-15 km nas direções nordeste, leste e sudeste. Dois fluxos de lava com 800 metros de comprimento foram ativos nas drenagens Trinidad (S) e Santa Teresa (SO).

No dia 16 de dezembro, o INSIVUMEH relatou que a atividade no vulcão Fuego diminuiu, ainda que fluxos de lava permanecessem ainda ativos nas drenagens Las Lajas (SE), Trinidad (S) e Santa Teresa (SO). No período entre 16-22 de dezembro, plumas de cinzas originadas por fracas explosões ascenderam entre 550-950 metros de altura e foram dispersas por até 15 km nas direções O, SO, S e SE. Material incandescente foi ejetado 150 metros de altura, depositando-se sobre os flancos, e formando pequenas avalanches nas drenagens Santa Teresa (SO), Taniluyá (SO), Trinidad (S) e Ceniza (SE).

Fonte: Smithsonian/USGS Weekly Volcanic Activity Report

 


 

Momotombo, Nicaragua

O Instituto Nicaragüense de Estudios Territoriales (INETER) informou que no dia 1º de dezembro, às 07h49min, uma explosão no vulcão Momotombo gerou uma pluma de cinzas e gases que ascendeu 1 km acima da cratera e se deslocou na direção sudoeste. Novas explosões naquela manhã, às 08h17min, 08h42min, e 08h55min, geraram plumas de cinzas que atingiram 300 metros de altura. Emissões de gases foram visíveis pelo resto daquele dia. O Sistema Nacional para la Prevención, Mitigación y Atención de Desastres (SINAPRED) reportou que explosões durante os dias 1º-2 de dezembro ejetaram tefra incandescente e foi observado um fluxo de lava que movimentou-se lentamente sobre o flanco Norte. Queda de cinzas foi reportada em várias comunidades nos setores oeste e sudoeste do vulcão.

Com base em dados símicos, imagens de satélite e observações de imagens de webcam, o VAAC Washington reportou que durante os dias 2-3 de dezembro, plumas de cinzas do vulcão Momotombo ascenderam a altitudes de 2,4 km acima do nível do mar e se deslocaram por 90-225 km nas direções NO e ONO.

Segundo o INETER e o SINAPRED, a atividade no vulcão Momotombo continuou até o dia 10 de dezembro. Trabalhos de campo revelaram uma pequena cratera circular incandescente situada no flanco leste, a meio caminho do topo do vulcão, que estava fumegando na manhã de 6 de dezembro. Uma explosão no dia 7 de dezembro destruiu parte da cratera. A sismicidade durante os dias 9-14 de dezembro foi estável e com pequena intensidade.

Fonte: Smithsonian/USGS Weekly Volcanic Activity Report

 


 

Masaya, Nicaragua

O Instituto Nicaragüense de Estudios Territoriales (INETER) reportou que um lago de lava foi formado durante os dias 11-12 de dezembro dentro da Cratera Santiago do vulcão Masaya. Pequenas explosões foram registradas e sons de estrondos foram relatados.

O INETER reportou que ondas de choque e sons de estrondos desde pequenas explosões de gases foram reportadas na Cratera Santiago durante os dias 15-17 de dezembro. Cientistas conduziram trabalho de campo no dia 18 de dezembro e observaram que a cratera hospeda um importante lago de lava. Os cientistas ouviram fortes sons emitidos pelo vulcão e constataram que as emissões de dióxido de enxofre aumentaram. Respingos de lava (spatter) desde o lago de lava foram ejetados do conduto durante os dias 19-20 de dezembro e aterrissaram a alguns poucos metros de distância da cratera. A sismicidade foi estável em níveis baixos a moderados.

Fonte: Smithsonian/USGS Weekly Volcanic Activity Report

 


 

Etna, Sícilia, Itália

O Osservatorio Etneo – Sezione di Catania (INGV) reportou que após uma intensificação progressiva da atividade durante o anoitecer de 2 de dezembro, uma erupção na Cratera Voragine do vulcão Etna alcançou seu pico de atividade às 03h30min e 04h10min de 3 de dezembro. Durante o período de máxima atividade as fontes de lava ascenderam mais de 1 km acima da cratera e alguns jatos de material quente ascenderam a 3 km de altura. Uma pluma de cinzas atingiu vários quilômetros de altura e foi dispersa na direção nordeste, provocando queda de cinzas em diversas localidades naquele setor da montanha. A atividade quase que cessou no alvorecer. Este evento está entre os maiores dos últimos 20 anos, similar aos grandes eventos que ocorreram na mesma cratera nos dias 22 de julho de 1998 e 4 de setembro de 1999.

No dia 4 de dezembro, por volta das 10h00min, a atividade na Cratera Voragine se renovou, sendo caracterizada por fontes de lava e uma pluma de cinzas que ascendeu a 7-8 km de altura. A pluma de cinzas adquiriu uma forma de cogumelo no topo e produziu depósitos de material de granulometria grossa sobre o flanco sudoeste superior acima da elevação de 2 km. A atividade foi acompanhada por frequentes emissões de cinzas desde uma nova cratera que foi aberta recentemente sobre o flanco leste superior do cone Nova Cratera Sudeste. Dois outros eventos ocorreram na Cratera Voragine durante os dias 4-5 de dezembro, entre às 21h30min e 22h15min de 4 de dezembro e as 15h55 e 16h35min de 5 de dezembro, produzindo novamente elevadas fontes de lavas e plumas de cinzas com muitos quilômetros de altura.

Durante o anoitecer de 5 de dezembro a atividade na Cratera Voragine diminuiu progressivamente. Entre as 03h00min e as 04h00min de 6 de dezembro câmeras de vídeo registraram o começo de vigorosa atividade explosiva estromboliana desde o conduto sobre flanco leste do cone da nova Cratera Cratera Sudeste. Repetidos colapsos dos antigos e novos materiais do flanco do cone geraram avalanches quentes que se deslocaram por algumas centenas de metros na direção do Valle del Bove. A atividade efusiva continuou contínua pelo resto do dia e produziu dois fluxos de lava; um avançou para nordeste por menos de 1 km e o outro se movimentou na direção leste. A atividade explosiva estromboliana continuou até o anoitecer. No dia 7 de dezembro um segundo conduto sobre o flanco leste do cone Nova Cratera Sudeste foi ativo, e um fluxo de lava avançou por 4 km. Durante o início da manhã de 8 de dezembro, a atividade estromboliana diminuiu progressivamente e depois cessou. No final da tarde, fraca atividade estromboliana e emissões de cinzas foram observadas na Cratera Nordeste. No dia 9 de dezembro, o INGV reportou apenas a emissão de plumas de cinzas desde a Cratera Nordeste. A sismicidade diminuiu significativamente.

O INGV informou que depois de intensa atividade do vulcão Etna nas crateras Voragine, Bocca Nuova e Nova Cratera Sudeste (NSEC) nos primeiros 10 dias de dezembro, a atividade mudou para a Cratera Nordeste (NEC). Durante os dias 09-10 de dezembro foi detectada atividade explosiva Estromboliana na NEC, com abundantes emissões de cinzas e algumas bombas incandescentes ejetadas caindo sobre o flanco externo. A atividade diminuiu gradualmente ao longo de alguns dias. Em 13 de dezembro emissões de cinzas ascenderam da NSEC e de 18 de dezembro a Cratera Voragine produziu duas breves emissões de cinzas. As emissões de cinzas começaram às 11h00min de 28 de dezembro a partir de um conduto localizado no alto no flanco E do cone NSEC. As emissões cessaram na parte da tarde; explosões muito pequenas e esporádicas continuaram no mesmo conduto durante os dias seguintes.

Fonte: Smithsonian/USGS Weekly Volcanic Activity Report

 


 

Kilauea, Havaí

O U.S. Geological Survey Hawaiian Volcano Observatory (HVO) declarou que a sismicidade abaixo do cume do Kilauea, na zona de Rifte Leste e na zona de Rifte Sudoeste permaneceu dentro dos níveis normais (background) para a região durante todo o mês de dezembro.  O lago de lava no conduto denominado Overlook continuou a circular e emitir respingos de lava (spattering). Câmeras de vídeo registram múltiplos condutos incandescentes dentro da cratera Pu’u ‘O’o. Cientistas em trabalho de campo registraram no dia 17 de dezembro um pequeno lago de lava sobre a margem leste de Pu’u ‘O’o. O fluxo de lava denominado de “27 de junho” continuou ativo entre 2-7 km a nordeste da Cratera Pu’u ‘O’o, queimando algumas áreas florestadas.

Fonte: Smithsonian/USGS Weekly Volcanic Activity Report

 


 

Kanlaon, Filipinas

O Philippine Institute of Volcanology and Seismology (PHIVOLCS) reportou que no dia 15 de dezembro, às 21h38min, um terremoto de baixa frequência no vulcão Kanlaon que persistiu por 45-37 segundos possivelmente correspondeu a uma emissão de cinzas. O mau tempo impediu observações visuais do evento. Sons de estrondos foram ouvidos nas vizinhanças sobre o flanco sudeste. No dia 17 de dezembro, plumas de vapores ascenderam 50 metros acima da cratera.

O PHIVOLCS informou que no dia 23 de dezembro, às 14h57min, a rede sísmica no vulcão Kanlaon detectou uma explosão. O evento não foi observado visualmente devido à cobertura de nuvens ao redor do cume, mas o som de estrondos foi ouvido nas comunidades próximas. Pequenas quantidades de cinzas em diversas localidades e cheiro de enxofre foi sentido. Outro evento explosivo foi detectado pela rede sísmica no dia 24 de dezembro, às 21h09min, e novamente não foi observado visualmente. Quantidades muito pequenas de cinzas caíram nos vilarejos próximos e cheiro de enxofre foi sentido. Um evento de emissão de cinzas com 5 minutos de duração ocorreu no dia 27 de dezembro, às 13h29min, acompanhado por sons de estrondos. Uma pluma eruptiva, vista desde o flanco sudeste, ascendeu 1 km acima da cratera, e pode ter alcançado 4,5 km de altura segundo pilotos de aeronaves. Pequena queda de cinzas ocorreu em diversas localidades. O nível de alerta permaneceu em 1 (em uma escala que varia entre 0-5).

Fonte: Smithsonian/USGS Weekly Volcanic Activity Report

 


 

Monte Bromo, Caldeira Tengger, Java, Indonésia

O Pusat Vulkanology dan Mitigasi Bencana Geologi (PVMBG) reportou que durante o período entre 15 de novembro-4 de dezembro  plumas esbranquiçadas ascenderam 150 metros acima da cratera do Monte Bromo e um intenso cheiro de dióxido de enxofre foi notado no posto de observação. Nos dias 15, 23 e 27 de novembro, densas plumas de cinzas ascenderam 150 metros acima da margem da cratera. Valores de amplitude sísmica aumentaram no começo de novembro, e então aumentaram rapidamente no começo de dezembro. Baseado na análise sísmica, observações visuais e potencial de perigo, o nível de alerta foi elevado para 3 (em uma escala que varia entre 1-4) no dia 4 de dezembro. Residentes e visitantes foram alertados para não se aproximarem da cratera dentro de um raio de 2,5 km.

Plumas de cinzas durante os dias 9-15 de dezembro ascenderam até uma altitude de 3 km acima do nível do mar e foram dispersas por 45-65 km nas direções NE, NO, O e SO. Fracos sons de estrondos foram notados. No dia 15 de dezembro, as cinzas emitidas pelo vulcão Bromo provocou o fechamento do aeroporto local. No dia 16 de dezembro as plumas de cinzas continuaram a ascender do cone. Imagens de satélites e de câmeras de vídeo mostraram que durante os dias 15, 17-19 e 21-22 de dezembro as plumas de cinzas ascenderam até altitudes de 3-3,6 km acima do nível do mar e foram dispersas por 25-95 km nas direções O, NW, N, E e SE.

Fonte: Smithsonian/USGS Weekly Volcanic Activity Report

 


 

Karangetang, Ilha de Siau, Indonésia

Com base em observações realizadas no Karangetang Volcano Observation Post na aldeia de Salili, o Pusat Vulkanology dan Mitigasi Bencana Geologi (PVMBG)  relatou que durante o período entre 25 de novembro-16 de dezembo que foi observada incandescência do domo de lava no período noturno. Variáveis quantidades de emissões esbranquiçadas ascenderam até 300 metros de altura acima da Cratera Principal. A sismicidade ficou estável desde o dia 6 de novembro. O nível de alerta manteve-se em 3 (em uma escala de 1-4); visitantes e moradores foram avisados para não se aproximar do vulcão Karangetang dentro de um raio de 4 km.

Fonte: Smithsonian/USGS Weekly Volcanic Activity Report

 


 

Egon, Arquipélago de Flores, Indonésia

O Pusat Vulkanology dan Mitigasi Bencana Geologi (PVMBG)  reportou que durante os meses de  outubro e novembro a sismicidade no vulcão Egon estava dentro dos níveis normais para a região, caracterizada por uma média de um evento por dia, tanto de terremotos profundos ou sismos superficiais. No dia 15 de dezembro, a rede sísmica registrou 29 terremotos vulcânicos rasos, um número significativamente acima da linha de base. Com isso, o PVMBG elevou o nível de alerta para 2 (em uma escala que varia entre 1-4) naquele mesmo dia e alertou aos residentes e turistas para se manterem afastados no mínimo a 1,5 km da crratera.

Fonte: Smithsonian/USGS Weekly Volcanic Activity Report

 


 

Lokon-Empung, Sulawesi, Indonésia

O Pusat Vulkanology dan Mitigasi Bencana Geologi (PVMBG)  informou que durante os dias 10-16 de dezembro plumas esbranquiçadas ascenderam 150 metros acima da cratera do vulcão Lokon-Empung. A sismicidade flutuou, mas existe uma tendência de aumento gradual e significante nos útlimos 3-4 meses. O nível de alerta permanece em 3 (em uma escala que varia entre 1-4). Moradores e turistas foram alertados para não se aproximarem da cratera dentro de um raio de 2,5 km.

Fonte: Smithsonian/USGS Weekly Volcanic Activity Report

 


 

Yasur, Vanuatu

No dia 15 de dezembro, o Vanuatu Geohazards Observatory (VGO) declarou que o nível de alerta para o vulcão Yasur permaneceu em 2 (em uma escala de 0-4) e que as explosões tornaram-se mais intensas. O VGO lembrou aos moradores e turistas que áreas de risco estão localizadas próximas e ao redor da cratera vulcânica, e que a cinza vulcânica e os gases podem atingir as áreas habitadas.

Fonte: Smithsonian/USGS Weekly Volcanic Activity Report

 


 

Zhupanosvky, Kamchatka, Rússia

O Kamchatkan Volcanic Eruption Response Team (KVERT) reportou que atividade eruptive moderada no vulcão Zhupanovsky durante o período entre 27 de novembro-4 de dezembro. Explosões nos dias 27 e 30 de novembro geraram plumas de cinzas que ascenderam até altitudes de 6-7 km acima do nível do mar e foram dispersas por 300 km nas direções leste e sudeste. Depósitos de fluxos piroclásticos com 15,5 km de comprimento foram observados sobre o flanco sul do vulcão após o evento de 30 de novembro.

O KVERT reportou condições calmas no vulcão Zhupanovsky após o colapso parcial do setor central sul nos dias 27 e 30 de novembro. Imagens de satélite detectaram uma fraca anomalia termal sobre o vulcão nos dias 4 e 7 de dezembro. Moderados níveis de atividade fumarólica continuaram a ser observados. No dia 10 de dezembro o Código Aeronáutico de Cores de Alerta foi diminuído para Amarelo, e no dia 17 de dezembro o KVERT abaixou o Código Aeronáutico de Cores de Alerta para Verde.

Fonte: Smithsonian/USGS Weekly Volcanic Activity Report

 


 

 

©2018 VULCANOtícias     -     Erupções | Vulcanologia | FotografiasFale Conosco

 

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?