Erupções de Junho de 2018

Fuego, Guatemala

Em um boletim especial de 06 de junho de 3 de junho, o O Instituto Nacional de Sismologia, Vulcanologia, Meteorologia e Hidrologia (INSIVUMEH) relatou o aumento da atividade do vulcão Fuego. Fortes explosões foram acompanhadas por estrondos e ondas de choque que fizeram vibrar estruturas locais. Uma densa nuvem de cinzas ascendeu 2.3 km acima da cratera e foi dispersa nas direções SO, O, NO e N. Fluxos piroclásticos desceram a drenagem Seca (Santa Teresa) no flanco oeste, e possivelmente outras drenagens, embora que as condições climáticas ruins tenham impedido visões claras da área do cume do vulcão. Plumas de cinzas originadas pelos fluxos piroclásticos provocaram queda de cinzas (em telhados e carros) em Sangre de Cristo (8 km a oeste) e San Pedro Yepocapa (8 km a noroeste). Por volta das 10h00min, fluxos piroclásticos desceram a montanha pela drenagem Cenizas (SSO). Queda de cinzas foi relatada em áreas adicionais, incluindo La Soledad (10 km ESE), Quisache e o município de Acatenango (8 km E).

Com base em informações de várias agências, o Washington VAAC relatou uma coluna de cinzas originada por uma erupção explosiva ascendendo 9 km acima do nível do mar às 11h30min. Em um relatório as 13h40min, o INSIVUMEH descreveu grandes fluxos piroclásticos descendo os flancos do vulcão pelas drenagens Seca, Cenizas, Mineral, Taniluya (SO), Las Lajas (SE) e Honda (E), produzindo densas plumas de cinzas que atingiram 6,2 km acima do cume. Os fluxos piroclásticos percorriam pelo menos 8 km e atingiram temperaturas de 700 graus Celsius. Fragmentos vulcânicos do tipo tefra e lapilli caíram em áreas a mais de 25 km de distância, incluindo La Soledad, San Miguel Dueñas (10 km NE), Alotenango, Antigua Guatemala (18 km NE) e Chimaltenango (21 km NNE). Queda de cinzas foi relatada tão longe quanto a Cidade da Guatemala, 70 km E. Explosões sacudiram estruturas dentro de 20 km de distância do vulcão Fuego. O Aeroporto Internacional de La Aurora fechou as 14h15min. Relatos de testemunhas oculares descreveram os fluxos piroclásticos que se moviam rapidamente inundando os campos em que as pessoas estavam trabalhando, ultrapassando pontes e enterrando casas até suas linhas de telhado em algumas áreas. Os povoados de San Miguel Los Lotes, Alotenango e El Rodeo (10 km SSE) foram os mais afetados.

Análises de dados de satélite mostraram que o evento produziu o maior carregamento de SO2 medido a partir de uma erupção de Fuego na era do satélite (desde 1978) e, portanto, provavelmente o mais alto desde a grande erupção de 1974. Foi notado que a massa de SO2 foi cerca de aproximadamente 2 ordens de magnitude maior do que a erupção de 1974, que teve um impacto estratosférico significativo.

As 16h50min, o INSIVUMEH registrou relatos de lahares descendo a drenagem Pantaleón (alimentada pelos rios Santa Teresa e El Mineral) e outras drenagens. O CONRED tinha evacuado comunidades perto de Fuego, incluindo Sangre de Cristo, Finca Palo Verde e Panimache. Às 22h00min (~ 16,5 horas após o início da atividade aumentada), a erupção diminuiu, com atividade caracterizada por explosões fracas a moderadas, incandescência de crateras e plumas de cinzas que atingiram quase 800 m. A estação sísmica (FG3) registrou o último fluxo piroclástico em 18h45min. Por volta de 07h25min, em 4 de junho, a sismicidade havia retornado aos níveis normais. Explosões ocorreram a uma taxa de 5-7 por hora e produziram plumas ricas em cinzas que chegaram a atingir 900 m e alcançaram até 15 km nas direções SO, O, NO e N. Avalanches de material desceram pelos flancos. O Aeroporto Internacional La Aurora reabriu e os vôos foram retomados às 9h30min.

Em 5 de junho, o INSIVUMEH informou que a atividade voltou a aumentar. Explosões ocorreram a uma taxa de 8-10/hora, algumas fortes, que geraram nuvens de cinzas que atingiram 5 km e foram dispersas nas direções leste e nordeste. As 19h28min, um fluxo piroclástico percorreu a drenagem Las Lajas. Os jornais informaram que as autoridades pediram outra evacuação.

A Coordinadora Nacional para la Reducción de Desastres (CONRED) informou que até 06h30min do dia 6 de junho um total de 12.089 pessoas tinham sido evacuadas da região afetada pela erupção, com 3.319 pessoas dispersas em 13 abrigos. Uma ponte e duas redes de energia foram destruídas. De acordo com fontes de notícias em 6 de junho, o Instituto Nacional de Ciências Forenses da Guatemala declarou que 75 pessoas morreram e 192 ainda estão desaparecidas. Muitos, possivelmente milhares, receberam queimaduras e outros ferimentos. As condições meteorológicas, a atividade contínua em Fuego, a má qualidade do ar, os depósitos de fluxo piroclástico quente e a chuva dificultaram os esforços de resgate.

Imagens da erupção podem ser encontradas em:

Erupção do vulcão Fuego, Guatemala (VULCANOticias)

Fonte: Smithsonian/USGS Weekly Volcanic Activity Report


Merapi, Ilha de Java, Indonésia

O Pusat Vulkanologi dan Mitigasi Bencana Geologi (PVMBG) reportou que às 08h20min de 1 de junho, um evento no Merapi gerou uma nuvem de cinzas que alcançou pelo menos 6 km acima da borda da cratera e se deslocou na direção NO, mas depois os ventos mudaram para SO. Queda de cinzas foi relatada no posto de observação de Selo. Observadores notaram fumaça branca subindo de uma área florestada a 1,5 km a noroeste, possivelmente indicando vegetação em chamas. O relatório observou que eventos vulcotectônicos ocorreram a cerca de 3 km abaixo da cratera. Mais tarde naquele dia, as 20h24min, uma nuvem de cinzas de um evento de 1,5 minutos de duração atingiu 2,5 km acima da borda da cratera e se espalhou nas direções nordeste e oeste. Às 21h00min, uma nuvem de cinzas atingiu 1 km de altura e foi dispersa na direção noroeste. O nível de alerta permaneceu em 2 (em uma escala de 1 a 4), e o PVMBG observou que todas as pessoas em um raio de 3 km da cúpula deveriam ser evacuadas.

Fonte: Smithsonian/USGS Weekly Volcanic Activity Report


Kilauea, Havaí

O US Geological Survey Hawaiian Volcano Observatory (HVO) informou que a erupção na Zona  Inferior do Rifte Leste do vulcão Kilauea e no conduto Overlook dentro da Cratera Halema`uma`u continuou durante o período de 30 de maio a 6 de junho. Chafarizes e respingos de lava concentraram-se na Fissura 8, alimentando os fluxos de lava que se espalharam pelas subdivisões de Leilani Estates e Lanipuna Gardens e alcançaram o oceano na Kapoho Bay. As fissuras 22, 6 e 13 foram periodicamente ativas em 30 de maio, e fissuras 6/13 tiveram atividade de respingos de lava em 4 de junho. Lentos fluxos de lava estavam presentes em torno da Fissura 18.

O desmoronamento interno da borda e das paredes da cratera Halema`uma`u continuaram, e a atividade de terremoto abaixo da caldeira foi elevada, à medida que a área do topo se ajustava à retirada do magma da Cratera Overlook. A desgaseificação passiva de SO2 na área do cume diminuiu, mas as taxas de emissão foram altas o suficiente para impactar a qualidade do ar em regiões a favor do vento. As emissões de cinzas foram intermitentes e baixas, embora por volta de 11h00min, de 30 de maio, uma nuvem de cinzas ascendeu para 3,6 km acima do nível do mar. Uma pequena explosão foi detectada as 13h39min de 1 de junho. Um terremoto de magnitude 5.5 graus foi registrado as 15h50min de 3 de junho, produzindo uma nuvem de cinzas que alcançou 2,4 km acima do nível do mar. Uma pequena explosão e um novo  terremoto de 5.5 graus de magnitude foram detectados as 04h32min de 5 de junho, acarretando a formação de uma pluma de cinzas que atingiiu 1,6 km acima do nível do mar.

Durante o início do período do informe, a Fissura 8 gerou fontes de lava altas, que alcançaram 80 m de altura, e algumas fontes secundárias com até 18 m. Cabelos de Pele e outros vidros vulcânicos caíram nas áreas a oeste da fissura e dentro das propriedades de Leilani. Um pequeno cone de respingos (30 m de altura) foi formado no lado a favor do vento da fonte de lava maior. As emissões de gases vulcânicos das fissuras foram muito elevadas.

O fluxo de lava alimentado plea Fissura 8 avançou na direção NE a uma taxa de 550 m/hora durante os dias 29-30 maio, mas depois diminuiu para 90 m/hora em 31 de maio. Altas taxas de erupção levaram à formação de um canal ao longo da borda oeste do fluxo de lava; pequenos transbordamentos do canal ocorreram ao longo de seu comprimento. Em 2 de junho, a lava fluiu em torno da parte norte da cratera Kapoho e, em seguida, virou para sul, entrando no bairro de Vacationland. Às 07h00min, a frente de fluxo tinha entrado nos lotes da Kapoho Beach, movendo-se cerca de 75 m/hora. A lava entrou em Green Lake (70 m x 120 m de diâmetro e 60 m de profundidade) as 10h00min, criando uma grande nuvem de vapor. As 15h00min, a lava enchera completamente o lago e a água fervia. Moradores relataram que a lava (com uma frente de fluxo de 800 m de largura) entrou no oceano em Kapoho Bay por volta de 22h30min. No final da tarde de 4 de junho lava tinha construído um delta que se estende por quase 700 m dentro da baía.

Durante a noite de 4 para 5 de junho, as fontes de lava na Fissura 8 foram menos vigorosas, com uma altura máxima de 55 m. Às 6h30min do dia 5 de junho, a lava enchera completamente a Kapoho Bay, criando um novo litoral a 1,1 km do antigo litoral. A lava sul tinha ultrapassado a maior parte da subdivisão de Vacationland e estava entrando em áreas  de marés. Todos, exceto a parte norte de Kapoho Beach Lots, foram cobertos pela lava.

Fotografias e vídeos da erupção podem ser encontrados em

https://volcanoes.usgs.gov/volcanoes/kilauea/kilauea_multimedia_15.html

Fonte: Smithsonian/USGS Weekly Volcanic Activity Report


Piton de la Fournaise, Ilha de Reunião, Oceano Índico

O Observatoire Volcanologique du Piton de la Fournaise (OVPF) informou que durante um sobrevoo sobre o vulcão Piton de la Fournaise em 29 de maio, os cientistas notaram que o conduto no topo do cone principal (cerca de 22-25 m de altura) tinha cerca de 5 m de diâmetro. Quedas e pequenos desmoronamentos nos flancos eram visíveis, e as emissões de gases ascendiam do conduto. Com base na sismicidade, a OVPF declarou que em 14 de junho de 1 de junho, a erupção que começou em 27 de abril terminou.

Fotos da erupção podem ser encontradas em IMAZPRESS

Fonte: Smithsonian/USGS Weekly Volcanic Activity Report


 

 

©2018 VULCANOtícias     -     Erupções | Vulcanologia | FotografiasFale Conosco

 

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?